Thursday, February 7, 2008

esclarecendo II

... com todos os avanços tecnológicos (e o "yours truly" sempre ahead of the curve) a gente não tem conexão aberta no hospital - meu pc mostra 11 pontos de wi-fi, mas todos protegidos por password, e o hospital não libera: mother freakers! Enfim, com isso, a gente depende da minha conexão em casa (quando venho deixar ou buscar os grandparents) pra fazer update do blog - tenho repassado tudo pra cintia (os comentarios, etc) quando volto pro hospital. Aqui vão mais alguns esclarecimentos:

- a tala no braço do baby: é uma coisa do catete! ou cateter, como a esposa insiste em chamar. Depois de uma febrinha da mãe (38 graus) um pouco antes da cesariana (na verdade o que fez a médica querer uma cesariana, pra evitar infecção no bebe) é normal fazer uma cultura de sangue, que fica "pronta" em 48 horas. Noventa por cento das vezes não deu nada, e o baby tá liberado. Até lá, ele recebe antibióticos pra qualquer infecção que tenha dado logo antes do parto. Hoje por volta das 9 da noite o resultado chega, e ou ele é realmente liberado (o mais provavel) ou o antibiotico muda pra um específico, pra tratar da infecção. Pra nao ficar espetando o coitado várias vezes, eles colocam o "do catête" pra acesso à veia dele... É isso...

- altura: 1m90 mesmo, amante profissional!

- nome: putz, nem vamos falar sobre isso... bom, vamos, então. A gente finalmente conheceu a médica holandesa que morou no brasil por 10 anos. Pra quem nao sabe essa estória, desde que fomos fazer a primeira tour do birthing center (uns dois meses atras) falaram dessa garota. A cintia sendo brasileira, e nós estando em "hicksville" (terra dos caipiras), isso virou uma sensação. Acho que tinha mais gente no quarto de operações por causa disso, do que precisava (umas 15 pessoas) - acharam o máximo ter uma brasileira na cidadezinha deles... Resultado: a holandesa que morou no brasil é na verdade brasileira que morou na holanda (fez faculdade lá), gaúcha, loira de olho azul e pele branca - ninguém destes cantos entende que tem gente branca de olho azul no brasil, então a estória dela foi mudando aos poucos. Ela se deu super bem com a cintia - o nome dela é Anouk Lambers (mais um motivo pra nao pensarem que ela é brasileira) - nome de solteira mesmo, o marido (esse sim) é holandes, e tem outro nome. Então em homenagem a ela, talvez o baby tenha esse nome, mais o da cintia, e o meu (completo) - ficando: Anouk Ruiz Tatini dos Santos Ribeiro - ou, talvez, a gente coloque o lambers tambem - Anouk Lambers Ruiz Tatini dos Santos Ribeiro... ou quem sabe, eu use o meu nome inteiro "real", na íntegra, que ficaria - Anouk Lambers Ruiz Tatini dos Santos Ribeiro de Orleans e Bragança. Mas max e marco ainda são alternativas viáveis...

3 comments:

Marcelo said...

QUERIDOS!!!

É com os olhos cheios d´agua e ainda inebriado pela emoção de ver o bebê dos meus amigos, não paro de pular na cadeira....
Pena que a distãncia é grande, mas, agora sim, tenho uma razão forte pra voar até aí, hehehehe.
Que Deus abençoe essa criança linda e que só traga mais alegria pra vcs, lindos que eu amo muito.
beijos
Marcelo Lima

tia gi said...

Cunhado, você não pode fazer isso com as deslexicas como eu. Eu li a história inteirinha da médica, com uma atenção tamanha, imaginando que seria a mais nova amiga da família. Até entender que a você estava tirando um sarro de todos nós, demorei. Bem, mas o que importa mesmo é que pelo menos sabemos que o baby irá chamar Max Ruiz Tatini, ou Marco Ruiz Tatini (ou será nome composto?). Ai, ai...

vania said...

ai Gi graças a Deus não sou só eu que fico boiando.....PELO AMOR DE DEUS EU QUERO A MEDIDA DO BABY O nome pelo menos...sou antiga...da época que a notícia vinha assim nasceu, foi cesárea ...as ....hs, pesa...mede...vai chamar ...
Por favooooooooooooooor.
Beijops Ci vc tá bem te achei '~ao pálida...foi brabo o trabalho de parto?
Bjs no Baby e em todos